[pt]   Login

12 anos ao seu serviço (2005-2017)

Necessidades em vibração e/ou ruído?
Contacte-nos.
Temos uma resposta para si.

Notícias/Destaques

Msica alta e batuques podem causar danos audio

2012-02-20 - Abafamento nos ouvidos, zumbido e sensao de surdez por minutos e at horas. Esses so alguns dos sintomas comuns a quem festeja o carnaval ao som do batuque das baterias e msica alta. Mas o que nem todos sabem que a exposio prolongada ao barulho excessivo pode causar prejuzos irreversveis audio se alguns cuidados no forem tomados.

No carnaval, de acordo com a Associao Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Crvico Facial, medies de anos anteriores chegaram a apontar uma intensidade de som de 120 decibis, seja na folia pelas ruas, ao som de trios eltricos, ou no sambdromo. O ouvido humano, no entanto, suporta apenas uma intensidade de at 85 decibis. A Associao estima que cerca de 20% dos brasileiros sofram com algum tipo de perda auditiva.

"O ouvido humano suporta, em mdia, sons de at 85 decibis por cerca de oito horas dirias. Se o som atinge 110 decibis, a tolerncia cai para apenas meia hora. E no caso de 120 decibis, seriam apenas 15 minutos de tolerncia para evitar traumas e danos", explica Marcelo Hueb, presidente da Associao Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Crvico Facial.

A exposio prolongada ao barulho, como o caso de trabalhadores de fbricas e indstrias que no protegem os ouvidos, pode levar perda definitiva da audio. O mesmo pode acontecer, segundo Hueb, em caso de exposio a som muito alto, mesmo que por um curto perodo. "No carnaval, os folies costumam ficar muito perto das fontes de som e expostos durante horas, sem descanso para os ouvidos. Isso pode causar srios problemas", diz.

H 39 anos frente da bateria da Vai-Vai, o Mestre Tadeu afirma que faz acompanhamento mdico para evitar problemas auditivos, mas garante que nunca teve nenhum sintoma. "Ensaiamos cerca de quatro horas por dia e no costumo usar protetores, mas nunca tive problemas. Em todos esses anos tivemos apenas um caso de uma pessoa que comeou a perder a audio, mas ainda assim eu prefiro que a bateria no use o protetor porque pode atrapalhar o andamento do ritmo durante o desfile", afirma.

A rainha Priscila Bonifcio, que desfila junto bateria da Unidos de Vila Maria, acredita que a adrenalina dos ensaios e do desfile "anestesia" o corpo para qualquer incmodo. "A gente sabe que o barulho no faz bem, mas nunca senti nada. Sou rainha de bateria h trs anos e se puder vou sambar no meio dos ritmistas. maravilhoso. Uma emoo e uma adrenalina que superam qualquer coisa", conta a musa, de 30 anos.

Apesar da resistncia de Mestre Tadeu e Priscila, Hueb afirma que as pessoas que se expem prolongadamente ao barulho no tm o ouvido "treinado". "Algum que fica diretamente exposto ao rudo s no sente os efeitos se for extremamente resistente ou porque ainda no deu tempo de aparecerem os zumbidos causados pela permanncia crnica no barulho."

O otorrinolaringologista Pedro Luiz Mangabeira Albernaz, do Hospital israelita Albert Einstein, e professor da Escola Paulista de Medicina, explica que os sintomas de leses auditivas podem demorar a aparecer. "Estudos apontam que o trauma acstico pode levar at dez anos para atingir o seu mximo. Um operrio submetido a um rudo acima do permitido pode levar dez anos para sentir os sintomas. Esse o aspecto mais traioeiro dos problemas auditivos", explica.

No caso do Mestre Adamastor, foram necessrios 17 anos para sentir os efeitos da exposio ao som alto. Ele comanda a bateria da Acadmicos do Tucuruvi e procura usar protetores para evitar danos ainda maiores. "Eu j perdi parte da minha audio em virtude de todos esses anos frente da bateria. Hoje procuro usar protetores sempre que possvel, principalmente s vsperas do carnaval, quando os ensaios so mais frequentes. Os agudos da bateria so muito prejudiciais. preciso cuidado", conta Mestre Adamastor, que recomenda o uso de protetores por seus ritmistas e demais integrantes da escola.

O tcnico de som da Acadmicos do Tucuruvi, Yves Garcia, confirma a intensidade preocupante do som nos ensaios e desfiles de carnaval. "Na quadra, durante os ensaios, chegamos a registrar um som de cerca de 120 decibis, porque o ambiente fechado. No sambdromo, por ser aberto, fica um pouco mais ameno, em torno de 100 decibis, mas o cuidado ainda assim imprescindvel", diz.

Com perceber os excessos Um bom indicador de que o ambiente no est adequado para a sade dos ouvidos, segundo especialistas, o nosso tom de voz ao conversar. " automtico que, em locais muito barulhentos, ns aumentemos o volume da voz durante uma conversa. Isso j indica que o ambiente no est adequado", afirma Albernaz.

Em caso de exposio intensa ao som alto, vale destacar que se o zumbido ou sensao de abafamento durarem por mais de trs dias, a recomendao procurar um especialista para verificar se houve alguma leso.

Dicas para a folia O uso de protetores auriculares de silicone moldvel bastante recomendado para os folies que querem evitar problemas auditivos srios neste carnaval, porm o acessrio pode atrapalhar a comunicao e, por isso, especialistas consideram que o ndice de utilizao do protetor seguir muito baixo durante os festejos.

"Seria muito otimista achar que as pessoas iro usar o protetor, ento uma boa dica fazer intervalos de 10 minutos longe do barulho, a cada 30 minutos. Assim o ouvido tem tempo para se recuperar", orienta Albernaz. Outra dica importante ficar a uma distncia de pelo menos 10 metros da fonte sonora.


Mais informação em: http://g1.globo.com/carnaval/2012/noticia/2012/02/musica-alta-e-batuques-podem-causar-danos-audicao.html

Guardado em: Sade